Desempenho econômico

_________________________________________

Desempenho econômico

G4-DMA

Contexto do mercado

Nos países desenvolvidos, a economia apresentou sinais de melhora no segundo semestre de 2016, com melhoria de indicadores como taxa de desemprego e crescimento do PIB nos Estados Unidos e na zona do Euro. Nos países emergentes, as perspectivas de crescimento mantiveram-se favoráveis, com aumento no preço das commodities metálicas e energéticas no último trimestre do ano.

No cenário doméstico, o PIB encerrou o ano com retração de 3,6% e o desemprego, medido pela PNAD Contínua, elevou-se para 12,0% no último trimestre, ante 9,0% no mesmo período do ano anterior. A inflação, medida pelo IPCA, fechou o ano em 6,3%, abaixo dos 10,7% apurados em 2015 e dentro do intervalo de tolerância da meta estabelecida pelo Banco Central. Essa trajetória mais clara de queda da inflação e a atividade econômica aquém do esperado permitiram a flexibilização da política monetária, com redução da taxa básica de juros em 0,75 pontos percentuais em janeiro de 2017.

A indústria mostrou sinais de estabilização nos últimos meses, com produção em dezembro de 2016 apenas 0,1% abaixo da registrada no mesmo mês do ano anterior. O ajuste cíclico nos estoques deve impulsionar uma recuperação modesta da indústria à frente. O saldo de crédito do sistema financeiro teve variação negativa de 9,2% no ano, em termos reais, contra um recuo de 3,6% registrado em 2015. As concessões acumuladas, também em termos reais, foram 15,6% menores na comparação anual. As taxas de inadimplência alcançaram 4,0% para pessoa física (recuo de 0,2 pontos percentuais) e 3,5% para pessoa jurídica (elevação de 0,9 pontos percentuais).

Resultados do ano

O desempenho da Itaúsa, como holding pura, é composto basicamente pela equivalência patrimonial do resultado das controladas. Ao longo do ano, os segmentos de serviços financeiros e industrial ainda foram impactados pelo cenário desafiador.

O lucro líquido recorrente individual totalizou R$ 8,6 bilhões, com expansão de 2,7% frente ao obtido em 2015, com rentabilidade recorrente sobre o patrimônio líquido médio (ROE) de 18,6%. O lucro líquido encerrou o ano em R$ 8,2 bilhões, ante R$ 8,9 bilhões registrados no período anterior.

As despesas gerais e administrativas somaram R$ 43 milhões no ano, 7,5% maior que em 2015, e mantiveram-se equivalentes a 0,5% do lucro líquido.

O resultado financeiro líquido foi positivo de R$ 67 milhões, ante R$ 98 milhões registrados no período anterior.

As despesas tributárias, referentes sobretudo a PIS e COFINS incidentes sobre receitas financeiras e receita de JCP (juros sobre o capital próprio) recebidos das sociedades investidas, totalizaram R$ 288 milhões.

A companhia manteve sua sólida posição de liquidez. O total de caixa, equivalentes de caixa e ativos financeiros mantidos para negociação atingiu R$ 976 milhões no encerramento do período. O nível de endividamento, medido pela relação entre passivos circulante e não circulante sobre o total do ativo no balanço patrimonial, era de 6,2%, com obrigações totais de R$ 3,1 bilhões, dos quais R$ 2,0 bilhões eram referentes a dividendos e JCP a pagar.

 

Valor adicionado

G4-EC1

O valor adicionado consolidado da Itaúsa somou R$ 10,2 bilhões, com redução de 8,1% em comparação ao obtido em 2015. Em relação à distribuição do valor gerado, destaca-se a remuneração de capital próprio, que totalizou R$ 8,2 bilhões, incluindo pagamento e provisionamento de dividendos e JCP e lucros retidos.

Para saber os principais resultados das controladas, leia a seção As Empresas da Itaúsa.

DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO (R$ MILHÕES)


Remuneração aos acionistas

Em função do resultado apurado em 2016, a remuneração líquida aos acionistas, na forma de dividendos e JCP, totalizará R$ 3,7 bilhões, montante 37,4% superior ao do exercício anterior. O payout foi de 48%, aumento de 16 pontos percentuais em relação a 2015. Em fevereiro de 2017, o Conselho de Administração aprovou uma chamada de capital no valor de R$ 740 milhões, mediante a emissão de novas ações para subscrição particular. Considerando os efeitos dessa chamada de capital, o total de dividendos e JCP do último ano teve crescimento de 10,2% sobre o valor líquido de 2015. Ressalta-se que não houve chamada de capital em 2016 relativa ao ano anterior. G4-13

Desempenho das ações

As ações preferenciais da Itaúsa, negociadas na BM&FBovespa sob o código ITSA4, encerraram o ano cotadas a R$ 8,28, valorização de 32,4% em relação à igual data do período anterior. Na mesma base de comparação, o Ibovespa valorizou 38,9%.

O volume financeiro médio diário negociado das ações preferenciais em 2016 foi de R$ 171,3 milhões, com 7.264 mil negócios. No ano anterior, foram registrados R$ 167,8 milhões, com 7.325 mil negócios.

A capitalização de mercado era de R$ 60,8 bilhões no fim do ano, alta de 30,8% em relação ao período anterior. O valor total de mercado da soma das participações nas empresas controladas era de R$ 84,3 bilhões, com desconto de 27,8%, ante 23,7% observado no fim de 2015.

Em fevereiro de 2017, a companhia deliberou o cancelamento de 26.819.000 ações ordinárias escriturais próprias existentes na tesouraria, mediante absorção de R$ 204,1 milhões consignados nas reservas de lucro, e renovou a autorização para aquisição, no período de 18 meses e a preço de mercado, de até 80.000.000 ações ordinárias e igual quantidade de ações preferenciais de emissão própria para tesouraria.