Meio Ambiente

A Itaúsa acompanha a gestão sustentável de todas as suas empresas e garante o alinhamento das ações de meio ambiente e o pleno funcionamento das atividades com suporte ao atendimento dos principais indicadores ambientais vinculados às respectivas operações. Nas áreas industrial e financeira, os investimentos em proteção ambiental somaram R$ 35,5 milhões no ano de 2010 e estiveram assim distribuídos.

Investimentos e gastos em proteção ambiental (R$ mil) 2010 2009 2008 2007(1)
Duratex S.A.(2) 18.574 10.586 12.327 13.617
Elekeiroz S.A.(3) 10.923 8.740 11.503 10.063
Itautec S.A.(4) 1.600 3.303 525 2.481
Itaú Unibanco Holding S.A.(5) 4.440 962 18.898 4.072
Total dos investimentos e gastos em proteção ambiental 35.537 23.591 43.253 30.233
(1) Os investimentos e gastos em proteção ambiental no ano de 2007 não contemplam o Unibanco.
(2) Na Duratex S.A. os investimentos foram basicamente para tratamento de efluentes, coleta de resíduos, preservação florestal e outros. Além disso, realizou-se uma provisão no valor de R$ 1 milhão para a execução da remediação ambiental no site de Jundiaí, em função da desativação de uma das unidades da madeira naquela localidade. Todo o processo está formalizado junto ao órgão ambiental do estado e está previsto para ser finalizado em até 3 anos.
(3) Na Elekeiroz o montante apresentado refere-se basicamente à destinação de resíduos, gastos com materiais de meio ambiente, gastos com monitoramento de emissões e tratamento de efluentes.
(4) Investimentos internos. Não foram realizados investimentos externos.
(5) Os investimentos e gastos em proteção ambiental, em 2010, no Itaú Unibanco Holding S.A. se concentraram na lavagem de gases, consultoria para o inventário de gases de efeito estufa (GEE), coleta seletiva nos polos e disposição e tratamento de resíduos.


A Itaúsa registrou ainda um montante de R$ 168,8 mil aplicados à Duratex referentes a dois incidentes ambientais. O primeiro, na Unidade Industrial localizada na cidade de Uberaba/MG, resultou na assinatura de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público do estado de Minas Gerais e versou sobre falha técnica ocorrida na Estação de Tratamento de Efluentes, a qual foi rapidamente atendida e resultou em medida compensatória. O outro incidente deu-se pela emissão de particulados, o qual foi prontamente investigado e foram adotadas todas as medidas técnicas para mitigação de tais emissões. Como medida compensatória foi firmado Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público do estado de Minas Gerais através de doação sob a forma de recursos a serem utilizados na recuperação de Área de Preservação Permanente (APP) daquela localidade. Nos dois casos não houve danos significativos ao meio ambiente.

Na Duratex, os investimentos em meio ambiente passam pelo Comitê de Sustentabilidade, que avalia os processos relativos ao desenvolvimento dos negócios com base em todas as vertentes da responsabilidade socioambiental.

A empresa aplicou em ações direcionadas ao meio ambiente R$ 18,6 milhões, sendo destaque o tratamento de efluentes, a coleta de resíduos, e a manutenção de áreas florestais.

Em alinhamento das empresas da área industrial, a Itautec e a Duratex realizaram o 1º curso de capacitação em análise de ciclo de vida para os engenheiros das áreas de desenvolvimento, meio ambiente, qualidade e suprimentos. As áreas já definiram os grupos de trabalho para discutir como implementar as melhorias.

No setor de produção de metais da Duratex, após a avaliação de conformidade da LEED (Leadership in Energy and Environment Design) nove linhas de produtos Deca receberam o selo Sustentax, com itens que reduzem até 80% do consumo de água.

O consumo de água registrado em todas as empresas do Conglomerado Itaúsa alcançou 11.866.717 m3. Este consumo representa um aumento de 50% em relação ao ano anterior devido, entre outras razões, pelo aumento no escopo de medição incluindo as unidades Louças Recife, Ideal, Madeira Uberaba e Taquari, fábrica de Resinas DRI e unidades Florestais de Minas Gerais e Rio Grande do Sul, da Duratex.


Consumo de água (m3) 2010 2009 2008 2007(1)
Duratex S.A.(2) 7.586.876 4.198.687 4.882.963 4.580.211
Elekeiroz S.A.(3) 2.151.855 1.849.397 2.353.212 2.229.426
Itautec S.A.(4) 46.642 40.661 48.630 39.452
Itaú Unibanco Holding S.A. 2.081.344 1.814.180 1.983.340 948.158
Total do consumo de água 11.866.717 7.902.925 9.268.145 7.797.247
(1) O consumo de água no ano de 2007 não contempla o Unibanco.
(2) O consumo de água na Duratex vem da captação do curso de água local, de poços semiartesiano e artesiano, de concessionária pública e da água da chuva. A Duratex a partir de 2010 passou a acompanhar o consumo de água unidades Louças Recife, Ideal, Madeira Uberaba e Taquari, fábrica de Resinas DRI e unidades Florestais de MG e RS.
(3) No site de Várzea Paulista, o consumo para fins domésticos é fornecido por dois poços profundos e complementado pela concessionária Sabesp. Toda água utilizada no site de Camaçari, tanto para fins industriais como para fins domésticos é fornecida pela Braskem – Central de utilidades do Polo Petroquímico de Camaçari. Ainda em Camaçari, a água condensada reutilizada a partir do vapor fornecido pela Braskem está contabilizada no consumo de energia (EN3).
(4) A água consumida na unidade industrial, áreas administrativas e filiais é captada da rede pública de abastecimento.



Na relação com compromissos ambientais assumidos, a Duratex aparece como a primeira empresa latino americana a ter suas áreas florestais certificadas como Selo Verde, emitido pelo Scientific Certification Systems (SCS) e é pioneira também na obtenção da certificação do, Forest Stewardship Council (FSC), pelo manejo sustentável das florestas.

A Duratex mantém em sua gestão o inventário de emissões de carbono e fez parte do grupo de empresas que auxiliou na elaboração do Índice de Carbono Eficiente da BM&FBovespa (ICO2), índice em que a Itaúsa participa na primeira carteira de empresas. As áreas florestais em suas fazendas estão abertas para estudos acadêmicos incentivando o desenvolvimento de pesquisas, promovendo a geração de conhecimento e formação de especialistas nesse assunto.

A Duratex encerrou o ano de 2010 com aproximadamente 136,2 mil hectares de terras efetivamente cultivadas, predominantemente com eucalipto utilizados como matéria prima na produção de painéis de madeira, pisos e componentes, e, complementarmente, para venda a terceiros. Todas as áreas estão sujeitas ao manejo legal e ambientalmente seguro. Em 2011, a empresa deve concluir o levantamento do estoque de carbono. Assim será possível contabilizar o balanço das emissões versus o sequestro feito nas florestas.

Logo no início de 2010, a Duratex e a Itautec foram as primeiras empresas no Brasil a adquirir e implantar o módulo ambiental da SAP, um sistema operacional de controle e gestão. São módulos ambientais que controlam a parte de resíduos e emissões atmosféricas. Esse controle alinha os processos da gestão de itens ambientais, possibilitando obter um panorama mais completo sobre a emissão e mitigação do CO2.

Dando continuidade aos programas de aumento da produtividade, manutenção das instalações existentes, segurança dos colaboradores e preservação do meio ambiente, a Elekeiroz investiu R$ 10,2 milhões em 2010.

Na questão ambiental o foco da Elekeiroz está no controle das emissões atmosféricas. Todo processo produtivo das indústrias químicas acaba sendo finalizado por meio de chaminés, por onde saem os gases remanescentes do processo.

Em setembro de 2010 entrou em operação, em Camaçari, um sistema de coleta e recuperação de gás carbônico (CO2) gerado para venda a terceiros. Com a implantação do sistema, as emissões de gás carbônico para o meio ambiente foram substancialmente reduzidas e a empresa em paralelo, ainda se beneficia economicamente com a disponibilização do gás para o consumo industrial de terceiros.

Em 2010, pelo segundo ano consecutivo, o Itaú Unibanco realizou seu inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE). O banco também segue rigorosamente compromissos internacionalmente reconhecidos no combate às mudanças climáticas, como o Carbon Disclosure Project e o GHG Protocol, além de ser signatária do Pacto Global.

A Itautec e a Elekeiroz, pela primeira vez, contrataram empresa especializada para o levantamento de suas emissões de GEE e realizaram seus inventários para as atividades desenvolvidas em 2010. A Duratex faz seu inventário de emissões de GEE desde 2007 utilizando os dados do ano 2000 como ano base, e a metodologia utilizada para os levantamentos estão de acordo com o GHG Protocol e IPCC.

Os projetos de TI verde desenvolvidos pela área de tecnologia da informação do Itaú Unibanco para promover processos mais eficientes são guiados por quatro pilares:

• Ciclo de vida dos produtos (e gestão do lixo eletrônico);
• Eficiência energética;
Green workplace;
• Aplicativos verdes.

Por meio das ações empreendidas dentro desses objetivos propostos para a área de TI, é possível promover a redução do uso de recursos e gerenciar de maneira adequada as atividades que envolvem as operações do banco. O banco tem a consciência de que o processo de melhoria dos ambientes de tecnologia é um caminho a ser percorrido no longo prazo, com contínuo investimento em pesquisa, análise dos resultados alcançados e conhecimento das inovações existentes no mercado.

O controle das emissões no Conglomerado Itaúsa é definido pela natureza de cada negócio. As emissões totais de Gases de Efeito Estufa (GEE) atingiram 764.462 toneladas de CO2 em 2010. O aumento em relação ao ano anterior tem relação direta como a ampliação do escopo do inventário e qualidade dos dados inventariados.


Emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa 2010 2009 2008 2007(1)
Duratex S.A. (toneladas de CO2 equivalente)(2) 296.269 168.787 182.220 156.011
Elekeiroz S.A. (toneladas de CO2 equivalente)(3) 207.563 104.439 118.793 125.937
Itautec S.A. (toneladas de CO2 equivalente)(4) 157.218 - - -
Itaú Unibanco Holding S.A.(5) 103.412 90.522 129.362 -
Total de emissões diretas e indiretas 764.462 363.748 430.375 281.948
(1) As emissões diretas e indiretas no ano de 2007 não contempla o Unibanco.
(2) Escopo 1: Emissões diretas; Escopo 2: Energia elétrica adquirida; Escopo 3: Emissões indiretas.
(3) A partir de 2010 a metodologia e valores de conversão estão de acordo com o GHG Protocol e IPCC. Estimativas de emissões a partir das quantidades de energia direta e indireta medida. Memória de cálculo para o site de Várzea Paulista: utilizado, para cálculo de energia direta, o fator de emissão de CO2 para Eletricidade, fornecido pelo MCT com base no Sistema Interligado Nacional do Brasil, fator médio em 2009 de 0,0246 t CO2/Mwh. Utilizado, para cálculo, o fator de emissão de CO2 para gás natural fornecido pela Comgás de 1,8937 kg CO2/m3. Utilizado, para cálculo, o fator de emissão de CO2 para óleo Diesel, conforme Cetesb em 2009 de 3,11997 t CO2/t; considerada a densidade do óleo diesel de 0,85 kg/L. Memória de cálculo para o site de Camaçari: Utilizado, para cálculo, o fator de emissão de CO2 para eletricidade, fornecido pela Braskem de 0,269 t CO2/Mwh. Utilizado, para cálculo, o fator de emissão para produção de vapor fornecido pela Braskem de 7,493 E-5 t CO2/MJ. Utilizado o fator de emissão de CO2 para mistura de hidrocarbonetos líquidos, fornecido pela Abiquim de 2,57 t CO2/t ; densidade do Wasteoil igual a 0,859 kg/L. Utilizada a sistemática de cálculo fornecida pela Bahiagas para gás natural, Em= Ec. Ox. FE.3,67, onde Em é a emissão em toneladas de CO2; Ec é a energia calculada (EN4); Ox é o fator de oxidação igual a 0,995; FE é o fator de emissão de Carbono para o Gás Natural de 15,30 t C/TJ e 3,67 é o fator de transformação de C para CO2.
(4) Pelas características de suas operações, a Itautec foi dispensada pela Cetesb do processo de medição de emissões atmosféricas.
(5) Escopo1: Frota aérea própria, frota terrestre própria, geradores, fugas gasosas HFCs e HCFCs, combustão estacionária GLP e combustão estacionária gás natural. Escopo 2: prédios administrativos e pontos de venda. Escopo 3: transporte coletivo de colaboradores, Garantech, transporte de cargas, transporte de malotes, transporte numerário, táxi, reembolso de quilometragem, locação de veículos, ticket combustível, reembolso de combustível e viagens aéreas.


Importante destaque da Elekeiroz foi o lançamento da linha completa de Resinas Sustentáveis, de base vegetal, para a fabricação de peças em compósitos. Chamada comercialmente de Biopoli, essa nova linha emprega matérias primas de fontes renováveis e resinas termoplásticas reutilizadas, podendo, assim, economizar até 20% de recursos não renováveis, como o petróleo, usados nas resinas de poliéster tradicionais. O lançamento desta tecnologia no mercado viabilizará o desenvolvimento de diversos produtos sustentáveis para os segmentos automotivo, de construção civil, eletroeletrônico e náutico, entre outros.

Como parte da preocupação com os recursos naturais usados na produção, a Itaúsa, por meio de suas empresas, se destaca pelo consumo de energia produzida internamente. Esta opção garante eficiência operacional e redução de custos com a compra de energia. Em 2010 o consumo de energia direta registrado nas empresas do Conglomerado Itaúsa alcançou 3.663.641 Gj, aumento de 39,4% em relação ao ano de 2009.



Consumo de energia direta (GJ) 2010 2009 2008 2007(1)
Duratex S.A.(2) 2.620.051 1.703.276 1.254.464 1.718.463
Elekeiroz S.A.(3) 939.427 835.369 872.405 968.555
Itautec S.A.(4) 42.181 39.245 40.580 40.590
Itaú Unibanco Holding S.A.(5) 61.981 49.682 80.040
Total do consumo de energia direta 3.663.641 2.627.572 2.247.488 2.727.608
(1) O consumo de energia no ano de 2007 não contempla o Unibanco.
(2) A Duratex a partir de 2010 passou a acompanhar o consumo de energia das unidades Louças Recife, Ideal, Madeira Uberaba e Taquari, fábrica de Resinas DRI e unidades Florestais de MG e RS.
(3) Para os sites de Várzea Paulista e Camaçari foi utilizado o fator de transformação: 1kwh= 0,0036 GJ. Para o consumo de energia através de vapor no site de Camaçari e para efeito de cálculo foi utilizada a entalpia de vaporização na pressão de fornecimento, correspondente a 16kg/cm2 abs= 1.933,1 KJ/Kg. A energia elétrica consumida em Várzea Paulista é fornecida pela concessionária CPFL representando cerca de 33% da energia total consumida neste site. A energia consumida no site de Camaçari é na sua totalidade fornecida pela Braskem, central de utilidades do Polo Petroquímico de Camaçari.
(4) Toda energia consumida pela Itautec é elétrica, adquirida de concessionárias de serviço público.
(5) Consumo de energia no Itaú Unibanco Holding S.A. contempla o consumo dos prédios, agências e dos carros para transporte de executivos. Para conversão foram considerados: 1l=0,2641 gal; 1 galão = 0,138 GJ (diesel); 0,125 GJ (gasolina). Essas informações incluem IBBA.



O consumo de energia indireta atingiu 12.142.487 Gj e o total consumido no Conglomerado Itaúsa, considerando as energias direta e indireta, chegou a 15.806.127 Gj em 2010.

Consumo de energia indireta (GJ) 2010 2009 2008 2007(1)
Duratex S.A. 8.697.230 5.260.046 6.766.681 14.948.987
Elekeiroz S.A. 1.293.238 894.908 1.128.325 1.165.346
Itautec S.A.(2) - - - -
Itaú Unibanco Holding S.A. 2.152.018 2.091.172 1.930.255 -
Total do consumo de energia indireta 12.142.487 8.246.126 9.825.262 16.114.333
(1) Os dados relativos ao consumo de energia indireta no Itaú Unibanco no ano de 2007 não foram levantados em razão do elevado número de fornecedores de energia impossibilitar o levantamento desta informação.
(2) Não há utilização de energia indireta nas unidades da empresa.



Na Itautec, após a certificação do seu Programa de Gestão Ambiental, em 2001, de acordo com a NBR ISO 14001, a empresa adotou um processo de reciclagem, iniciado em 2003 e que nos últimos três anos, encaminhou para a reciclagem mais de 1.700 toneladas de resíduos eletrônicos que retornaram à cadeia produtiva em forma de matéria prima.

No primeiro semestre de 2010, um recorde: foram recicladas 336,9 toneladas de resíduos eletrônicos, o que equivale a aproximadamente 40 mil equipamentos. O total no ano chegou a 750 toneladas de resíduos eletrônicos reciclados, um resultado 40% superior ao alcançado em 2009, quando 527,7 toneladas de resíduos foram destinadas para reciclagem.

Toda a linha de produção de eletrônicos, no site de Jundiaí, em São Paulo, foi adequada para que os equipamentos da empresa fossem produzidos em acordo com a diretiva europeia RoHS, em que restringe o uso de chumbo e outras substâncias tóxicas na produção de equipamentos.

O Itaú Unibanco é referência em itens ambientais ao adotar políticas em todas as suas instâncias de gestão. Desde o ano de 2005 foram criados o Comitê Executivo e a Comissão de Responsabilidade Socioambiental. O objetivo central dos comitês é definir a política de responsabilidade socioambiental do Itaú Unibanco e estabelecer o alinhamento das ações do banco, através da análise de riscos, oportunidades e ameaças em relação ao tema.



Sustentabilidade


A criação de comitês, certificações e ações de preservação ambiental tornam a sustentabilidade parte da rotina estratégica e operacional das organizações.


topo