Elekeiroz S.A.


Como 2ª geração da cadeia petroquímica, os produtos da Elekeiroz são direcionados para a indústria que atende o consumidor final nos segmentos da construção civil, automotivo, de calçados e vestuário, alimentício, agroindustrial e comunicação visual e publicidade, além de outras indústrias químicas diversas. O mercado interno é o principal destino dos produtos e respondeu em 2010 por 88% do volume expedido. Os produtos orgânicos responderam por 53% das vendas enquanto os inorgânicos e revenda, pelos restantes 47%.

Em 2010 acentuou-se a recuperação da economia brasileira iniciada ao final de 2009. A redução temporária dos impostos foi importante para a ampliação da demanda interna por bens de alto valor agregado, em cuja fabricação há elevada participação de produtos químicos.

O segmento nacional produtor de químicos intermediários de uso industrial, no qual está inserida a Elekeiroz, acumulou crescimento de 7%, em relação ao realizado em 2009, na produção e nas vendas ao mercado interno. O índice médio dos preços praticados por este segmento cresceu 11,4% no ano, mas ainda assim permaneceu inferior ao de 2008. O fraco crescimento das economias desenvolvidas, em contraste com a dos países emergentes como o Brasil, foi o principal responsável pela lenta recuperação das margens praticadas.

O consumo aparente nacional do segmento acumulou aumento de 13% em 2010. As importações registraram crescimento de 28% enquanto que as exportações diminuíram 10%.

Em 2010, a Receita Bruta alcançou R$ 1,0 milhão e a Receita Líquida R$ 850,5 milhões, altas de 47% e 49% em relação a 2009. Os bons resultados alcançados apontaram para um lucro líquido de R$ 45,2 milhões, Ebitda de R$ 87,7 milhões, Margem Ebitda de 10,3%, e Rentabilidade sobre o Patrimônio Líquido Médio (ROE) de 10,1% ao ano.

As exportações, realizadas para 35 países, alcançaram R$ 162,4 milhões, com expressivo crescimento de 86% sobre 2009. Nesse total, o continente asiático, com destaque para a China, teve participação de 44%, a América do Sul, 30%, a do Norte, 18%, e os 8% restantes estiveram distribuídos entre a Europa e alguns países da África e do Oriente Médio. Vale ressaltar a abertura de novos mercados como os Emirados Árabes, Austrália, Marrocos e Tunísia. Como resultado, a relação entre as exportações e a receita líquida passou de 15% em 2009 para 19% no acumulado de 2010.

Houve também significativa melhora no perfil de endividamento junto às instituições financeiras que passou para uma confortável situação ao final de dezembro de 2010 quando esse endividamento foi reduzido a R$ 44,2 milhões, equivalendo a apenas 50% do Ebitda e 9% do Patrimônio Líquido. As disponibilidades, com R$ 88,3 milhões, excederam o endividamento em duas vezes.


"Há sempre troca de conhecimento entre as empresas do Conglomerado Itaúsa, mesmo atuando em mercados diferentes. As três empresas do segmento industrial têm uma ação conjunta de procedimentos, onde aquilo que se aplica a uma empresa também pode ser feito aqui e vice-versa. Com 116 anos, a Elekeiroz é uma empresa moderna e competitiva com amplo potencial de desenvolvimento."

Reinaldo Rubbi

CEO da Elekeiroz


topo