Visão de sustentabilidade


A Itaúsa orienta, estimula e apoia as empresas a integrar o tema sustentabilidade no desenvolvimento de seus negócios. Essa visão promove o alinhamento das práticas sociais, culturais e ambientais das empresas de forma a criar valor para a sociedade em uma cadeia de compartilhamento de riqueza.

A geração de valor deve contemplar, além dos aspectos econômico-financeiros, uma contribuição para preservar os recursos naturais, o acesso ao conhecimento e à cultura e a redução das desigualdades sociais. São diretrizes dessa atuação:


A gestão da sustentabilidade das principais empresas do Conglomerado Itaúsa está diretamente ligada à natureza de cada negócio.

"A integração das duas instituições bancárias também inclui a união das respectivas culturas de sustentabilidade. O foco para 2011 será fazer a gestão do tema para que ele esteja presente na agenda de negócios do banco. Estamos trabalhando para obter um amplo engajamento interno para crescer em sustentabilidade direcionando nosso olhar cada vez mais para os clientes."

Denise Hills

Superintendente de
Sustentabilidade do Itaú Unibanco



Consulte mais detalhes sobre o documento e as empresas que fazem parte dos Princípios do Equador:
www.equator-principles.com


Consulte mais detalhes sobre o documento e as empresas que fazem parte do PRI:
www.unpri.org/principles/

O documento, que está disponível online, pode ser consultado pelo site: www.itauunibanco.com.br/
relatoriodesustentabilidade/
pt-br/pdf/essencia.pdf


Para conhecer a íntegra da Política de Sustentabilidade, acesse: ww2.itau.com.br/socioambiental/
pdf/politica_sustentabilidade_
ItauUnibanco.pdf


Financeiro


Na área financeira, o Itaú Unibanco Holding S.A. figura entre os maiores bancos do mundo, com um valor de mercado superior a R$ 179,6 bilhões ao final de 2010 e ações negociadas em três mercados – Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa), Bolsa de Comércio de Buenos Aires (BCBA) e Bolsa de Valores de Nova York (NYSE). Por essa razão, a prestação de contas é um dos temas prioritários para a nossa gestão, sustentando-se sobre valores e princípios éticos e transparentes.

O Itaú Unibanco Holding S.A orienta suas operações de crédito pelos Princípios do Equador (Equator Principles Financial Institutions) patrocinado pelo International Finance Corporation (IFC), instituição vinculada ao Banco Mundial.

São diretrizes que orientam as instituições financeiras a procederem a análise de risco socioambiental em financiamento de projetos. Trata-se de um compromisso voluntário dos agentes financeiros para incorporar esses princípios nos projetos financiados.

O Itaú Unibanco integra há 11 anos a carteira do Dow Jones Sustainability World Indexes (DJSI) desde sua criação, em 1999. Além disso, participa também desde sua criação, há seis anos, do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&FBovespa) composto por 47 ações de 38 companhias.

O Itaú Unibanco adota também os Princípios para Investimento Responsável (PRI), que são diretrizes destinadas a uma rede de investidores internacionais que trabalham em conjunto para colocar em prática uma iniciativa apoiada pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Para reforçar ainda mais o tema, o Itaú Unibanco desenvolveu a "Essência da Sustentabilidade", consolidada junto aos seus stakeholders e que representa, de maneira clara e sintética, os oito desafios para a gestão do banco e sobre os quais estão concentrados os maiores esforços na busca por uma atuação sustentável.

A Essência da Sustentabilidade traz seus oito itens de desafios permanentes:

1. Transparência e governança;
2. Satisfação dos clientes;
3. Critérios socioambientais;
4. Diversidade;
5. Mudanças climáticas;
6. Educação financeira;
7. Microfinanças;
8. Engajamento de stakeholders.

A gestão do setor bancário está pautada em uma Política de Sustentabilidade que estabelece diretrizes que permeiam a estratégia e a gestão perante todas as partes interessadas. Essas políticas estão relacionadas à:



Industrial


A Itaúsa possui uma estrutura que tem a missão de auxiliar o segmento industrial no trabalho de integração, gestão e desenvolvimento de políticas e melhores práticas nas empresas. Em 2010, as empresas avançaram ainda mais no trabalho de normatizar e padronizar as suas respectivas ações ambientais. Há um acompanhamento permanente na evolução das legislações ambientais e de segurança que afetam os negócios além de uma agenda permamente com a alta administração.

Em dois segmentos da área industrial, que envolvem a Duratex e a Itautec, o ano de 2010 foi de acompanhamento dos aspectos legais da legislação ambiental que impactam as operações das duas empresas , em especial a aprovação da Politica Nacional de Resíduos Sólidos. A questão local é um fator a ser considerado nas tomadas de decisão, pois além dos aspectos legais federais, os estados e municípios também desenvolveram legislações próprias, nem sempre em linha com a legislação federal, gerando obrigações específicas para cada localidade.

Outro ponto de destaque foi o inventario de emissões de gases de efeito estufa, com base nos princípios do GHG Protocol e IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change) – para as três empresas da área industrial (Duratex S.A., Elekeiroz S.A. e Itautec S.A.), trabalho realizado pela equipe interna com o apoio da FBDS (Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável), empresa especializada no assunto.

Com o objetivo de aprimorar a gestão e o desempenho ambiental, todas as unidades industriais e fazendas possuem indicadores voltados ao consumo de energia, água, geração de efluentes, emissões atmosféricas, resíduos e biodiversidade. Em 2010, esses indicadores foram ampliados e incorporados no aplicativo SAP ERP, sendo a Duratex, juntamente com a Itautec, as primeiras empresas no Brasil a adquirir os módulos EHS (Environment, Health and Safety) e Emissions. Essa evolução no sistema de gestão de indicadores de desempenho permitirá à companhia significativos ganhos em qualidade e segurança dos dados.

Todas as empresas da área industrial dispõem de canais de comunicação externo para o tema da sustentabilidade. O principal canal de contato com a sociedade é por e-mail pelo qual são solicitadas informações sobre as práticas e posições estratégicas de cada uma das empresas. Os interessados podem encaminhar e-mail para os endereços sustentabildade@duratex.com.br, sustentabilidade@elekeiroz.com.br e sustentabilidade@itautec.com.

A intranet atende aos colaboradores das três empresas do Conglomerado Itaúsa – Duratex S.A., Elekeiroz S.A. e Itautec S.A. – com um resumo de todas as ações desenvolvidas. Tem links para twitter, promoções, destaque do portal, indicadores GRI, dados ambientais e sociais, reportagens, entrevistas e notícias. Esse canal recebe mais de mil acessos diários. Todos os meses os colaboradores recebem mensagens eletrônicas com os destaques do portal.


"As diretrizes da GRI adotadas em todas as empresas, em conjunto com outras referências de mercado para o tema, como ISE, Indicadores Ethos e Dow Jones tornam-se ferramentas importantes para auxiliar na melhoria contínua dos processos internos. Apresentam ainda como as demandas estão evoluindo no relacionamento com os diversos stakeholders. É um grande desafio, pois se trata de uma mudança de cultura, e a cada ano é possível perceber a evolução dos trabalhos e dos resultados alcançados no modelo de gestão das empresas."

João Carlos Redondo

Gerente Executivo de
Sustentabilidade da Área Industrial


Duratex


A Duratex apresenta um modelo de negócio que combina aspectos ligados à sustentabilidade nas operações com a busca pelos resultados de uma maneira ética que inclui o acompanhamento à legislação, o monitoramento dos riscos, a preservação do meio ambiente e a responsabilidade social com foco em itens como segurança. Também investe em tecnologia e inovação para fabricar painéis de madeira, louças e metais sanitários que são sinônimos de qualidade e liderança no mercado. As ações de relacionamento da Duratex têm por objetivo a promoção de diálogos transparentes e segmentados, onde todas as premissas desse engajamento estão expressas em seu Código de Ética e Conduta.

Criado em 2009, o Comitê de Sustentabilidade do Conselho de Administração tem por objetivo estimular e criar mecanismos para integrar a sustentabilidade no processo de gestão da Duratex. Seu coordenador é indicado por acionistas minoritários e possui larga experiência no campo socioambiental. Durante o ano de 2010, o Comitê se reuniu em 9 ocasiões e com o apoio da FBDS (Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável) aprofundou o conhecimento das práticas desenvolvidas pela Duratex à luz da sustentabilidade. Neste contexto, realizou workshops com o objetivo de divulgar o tema e alinhar conceitos junto ao público alvo composto de executivos, de todos os níveis da companhia. Ao final do ano, aprovou o plano de ação para curto, médio e longo prazos com o objetivo de inserir no plano estratégico da companhia conceitos e práticas que visam a melhoria contínua.

Também como avanço foi realizado o primeiro encontro com stakeholders para definição da matriz de materialidade que balizará a construção do seu relatório anual de sustentabilidade.
Além do inventário das emissões de gases e efeito estufa, a Duratex aprimorou a metodologia para mensurar seu estoque de carbono fixado nas florestas plantadas que abastecem as plantas industriais. Dos 224 mil hectares (52% em terras próprias e 48% em terras arrendadas), 61.067,51 foram considerados para avaliação e quantificação do estoque de carbono, ou seja, o carbono fixado pelas florestas no seu processo de crescimento.

Uma análise considerando as emissões e sequestro no mesmo período, permite visualizar que as operações da Duratex têm uma fixação de carbono maior que as emissões de seus processos.

A companhia possui uma política ambiental onde encontram-se expressos seus compromissos. Possui certificações ISO 9001 e, no caso da ISO 14001, possui em duas unidades, que atestam o compromisso com o Sistema de Gestão Ambiental adotado nas fazendas. Além do manejo e controle sobre sua extração, os produtos da divisão madeira da Duratex tem o selo Forest Stewardship Council (FSC). No setor de produção de metais da Duratex, após a avaliação de conformidade da LEED (Leadership in Energy and Environment Design), nove linhas de produtos Deca receberam o selo Sustentax, com itens que reduzem até 80% do consumo de água.

Na relação de compromissos ambientais assumidos, a Duratex aparece como a primeira empresa latino-americana a ter suas áreas florestais certificadas com o Selo Verde (FSC) e é membro fundador do Green Building Council Brasil, organização dedicada ao fomento da atividade sustentada das construções, além de ser signatária do Pacto Global da ONU.


Elekeiroz


A política ambiental adotada pela Elekeiroz é fruto do trabalho conjunto das empresas do Conglomerado Itaúsa e está alinhada às diretrizes gerais que tratam do cuidado com o meio ambiente, do uso racional dos recursos naturais, da segurança na produção e na movimentação dos produtos, interna e externamente. A companhia monitora ainda elementos importantes como emissões atmosféricas, água, efluentes e resíduos.

Ao integrar as áreas de meio ambiente e de segurança, a Elekeiroz busca prevenir os impactos ambientais à partir da operação segura de seus processos, realizando ações permanentes em suas operações industriais tanto no site de Várzea Paulista como em Camaçari.

Pratica ainda o Programa de Atuação Responsável do International Council of Chemical Associations administrado no Brasil pela Abiquim (Associação Brasileira da Indústria Química) que trata dos aspectos ambientais e de segurança nas atividades do setor. Adota ainda os protocolos do Regulation of the European Parliament and of the Council (REACH) que, desde 2006, regulamenta a circulação de produtos tomando como base a composição química utilizada na fabricação. A empresa mantém um Sistema de Gestão da Qualidade estruturado e implementado conforme Norma ISO 9001 para todas as suas linhas de produção.

Na Elekeiroz a implantação do modelo de relatório de sustentabilidade utilizando a diretriz da Global Reporting Initiative (GRI) foi uma das agendas mais significativas do processo de consolidação da sustentabilidade da empresa sendo incluída em sua política de governança como um importante instrumento de gestão e relato.

O Comitê de Governança e Riscos, criado para assessorar o Conselho de Administração, tem a tarefa de apoiar no desenvolvimento das políticas de governança, de sustentabilidade e dos mecanismos de controle e gestão de riscos. Este órgão monitora ainda as tendências em temas globais de sustentabilidade que possam repercutir nas atividades, propondo ações de adequação ou de redução de riscos.

O Código de Ética e Conduta tem como princípios fundamentais a legalidade, o respeito ao ser humano e à diversidade, o repúdio a qualquer forma de discriminação, o estímulo ao desenvolvimento pessoal e profissional, a responsabilidade social, ambiental e cultural.


Política Ambiental


Todas as empresas conduzidas pela Itaúsa seguem uma adequada política ambiental, com certificações
que comprovam esse compromisso.




Itautec

Na Itautec o ano foi dedicado ao alinhamento da empresa com a política nacional de resíduos sólidos, trabalho que já vinha sendo realizado antes de se tornar uma obrigação legal. O desafio maior é se adaptar às especificidades de estados onde existem unidades operacionais. Um exemplo está no Paraná, aonde o tema vai além do que a política nacional exige.

O "Guia do Usuário Consciente de Produtos Eletrônicos", lançado em 2010, é uma iniciativa pioneira da Itautec para auxiliar os consumidores a tomar decisões conscientes na hora da compra e durante o uso de produtos eletrônicos. Essa consulta pode ser feita online no site www.itautec.com.br/pt-br/sustentabilidade. O guia apresenta os estágios de compra, dicas simples de uso e pós-uso dos produtos eletrônicos, além das etapas do ciclo de vida do produto.

Em um trabalho desenvolvido há quase uma década, a Itautec já adotava o sistema de logística reversa dos seus produtos. Criado em 2003, é o primeiro projeto desenvolvido com essa finalidade por um fabricante no Brasil.

Após a certificação do seu Programa de Gestão Ambiental, em 2001, pela NBR ISO 14001, a empresa adotou um processo de reciclagem, iniciado em 2003 e que nos últimos três anos, encaminhou para a reciclagem mais de 4.500 toneladas de resíduos eletrônicos que retornaram à cadeia produtiva em forma de matéria-prima.

Toda a linha de produção de eletrônicos, no

de Jundiaí, em São Paulo, foi adequada para que os equipamentos da empresa fossem produzidos em acordo com a diretiva europeia RoHS, em que restringe o uso de chumbo e outras substâncias tóxicas na produção de equipamentos.



topo